Há anos venho estudando o comportamento da mulher nos tempos atuais. Este espaço destina-se a analisar os reflexos (positivos e negativos) decorrentes do movimento feminista, através de textos escritos por mim e outros autores.

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

OS ESTRAGOS QUE FAZEMOS NA VIDA


No post “Quando a vida se impõe” vocês acompanharam a história da fratura do meu tornozelo e a recuperação que está acontecendo dia a dia. Ultimamente eu tenho repetido muito uma frase: “Fazer um estrago é fácil, difícil é consertar o que foi feito”. Uma virada de pé ocasionou uma fratura que está levando meses para se restabelecer.
Repassemos isso para a nossa vida. Quantos estragos provocamos que, posteriormente, nos dão muito trabalho (e gastamos muita energia) para serem consertados? Quando magoamos alguém, provocamos discussões, fazemos promessas que não conseguimos cumprir ou ainda quando estamos fragilizados e nos deixamos ser seduzidos. Tudo isso está atrelado as nossas emoções exacerbadas e descontroladas.
Estando sob o domínio da raiva podemos afastar pessoas valiosas ou por em risco um emprego (ou uma carreira profissional).
Estando sob o domínio da euforia achamos que podemos dominar o mundo e sem perceber, passamos por cima de alguém para atingir nosso objetivo.
Estando num estado de grande carência, e consequentemente fragilizados, podemos colocar a nossa vida nas mãos de outra pessoa que acabará nos prejudicando.
Estas situações citadas acima muitas vezes não têm mais conserto, ou se tem, levamos muito tempo para corrigi-las. Portanto, ao estarmos a mercê das nossas emoções podemos provocar situações que nos levarão a atos impensados.
Analisando por este ângulo, a frase “faça o que seu coração mandar” nem sempre está correta. Somos ainda muito primitivos do ponto de vista emocional. É claro que as emoções fazem parte de nós e se formos muito racionais corremos o risco de sermos frios e calculistas (um psicopata não se abala por nada). O que precisamos é prestar atenção quando estamos sob seu domínio e por a razão para funcionar. Desta forma evitaremos estragos e a energia usada para consertá-los estará a nossa disposição para que a vida flua de forma mais tranqüila.



sábado, 2 de outubro de 2010

AGRESSIVIDADE FEMININA

            Os noticiários na TV vêm anunciando cada vez mais o aumento no número de agressões as mulheres.
            Analisando o contexto histórico, estas agressões acontecem há séculos abertamente, tendo os agressores apoio total da sociedade. Não era raro, a mulher agredida achar que estava errada e que tinha merecido o que havia acontecido a ela.
            Cansadas de serem maltratadas e humilhadas, as mulheres deram um basta às torturas físicas e psicológicas mostrando a sua força guerreira. Os homens assustados recuaram. Porém, ao colocarem a sua agressividade a toda prova, esqueceram-se que na força física eles são superiores.
            Nos casos de assassinatos, os relatos são que elas ameaçaram seus assassinos. Claro que isto não justifica o ato, mas tem um peso grande dentro da minha análise.
            Eu mesma já me assustei ao ver a forma como algumas agridem seus companheiros incitando a raiva neles.
            Assista ao vídeo abaixo, perceba como a atitude da garota mexe com nossos instintos e me diga o que você faria caso se deparasse com uma mulher dessas.



video

                    


PS: Quero agradecer a todos os amigos que me desejaram sucesso no Congresso e pronto restabelecimento na fratura do tornozelo. A minha apresentação foi excelente e já recebi alta do ortopedista (agora é a parte da Fisioterapia, mas estou me recuperando a cada dia que passa). Um grande beijo a todos!!!